Escolhidos para você

91 posts encontrados na categoria Lívia Jurkowitsch

Esse fim de semana me dediquei inteiramente aos filmes de terror. Fazia algum tempo que eu não via um monte de filmes. A revelação dessa vez foi um filme que pessoalmente não sei se passou nos cinemas (Não me lembro de ter visto) mas que achei bem interessante, Maligno.

O filme gira em volta de Miles (Jackson Robert Scott), um menino que nasce no mesmo dia da morte de um psicopata. Desde criança Miles começa a apresentar um comportamento estranho e uma inteligência muito além da sua idade. Os pais, preocupados com o menino começa a investigar para entender o porque daquele comportamento, e a conclusão dele é muito boa.

O filme mescla dois assuntos que eu gosto bastante, o sobrenatural, com o medo de coisas reais, e um dos maiores de quase todos, do próprio ser humano. Deixo aqui minha parabenização especial ao ator de Miles, Jackson, que interpretou de forma brilhante seu papel, em certos momentos você realmente cogita ter medo de uma criança de 10 anos de idade. A atris Taylor Schilling (a mãe de Miles) também esta de parabéns pela sua performance. A atris é conhecida por estar em grande produções como Orange is the New Black e Argo. Taylor consegue passar a angustia de ter que lidar com uma pessoa que ela não reconhece mais, mas que ainda é o seu filho, e por conta disso vai tentar salvar a qualquer custo, mas que também sente um profundo desprezo por aquele ser.

O filme em si não da muto medo, porém te prende até o final, pois a curiosidade fala mais alto. Além do filme não tomar caminhos muito convencionais. Trilha sonora não foi nada de especial, porém não atrapalhou em nada.

Se você gosta de filmes que te deixam um pouco tenso, ou quer introduzir alguma pessoa ao gênero de terror, eu super indico começar por esse filme, pois o sobrenatural é tanto bastante presente como também bem sutil.

 

É com grande pesar no coração que venho hoje falar de Cemitério Maldito, mas antes vamos contextualizar né!

O filme foi inspirado na obra de Stephen King (Rei do Horror, como o nome dele já sugere) O Cemitério, que conta a história de uma família que se muda para um local próximo a um cemitério de animais, com poderes sobrenaturais. O livro foi lançado em 1983, e em 1989 tivemos a primeira adaptação pro cinema.

Claramente se você assistir o filme de 1989 hoje, ele não será tão assustador quando deve ter sido na época. Porém quando o reboot de 2019 consegue ser menos assustador ainda, isso é um problema. O novo filme foi lançado com um ótimo elenco  Jason Clarke, Amy Seimetz, John Lithgow e o gato, que é uma estrela a parte! A Atuação dos atores foi realmente impecável. Stephen inclusive gostou de algumas alteração na história (que não vou mencionar por conta de spoilers) mas o que me deixou mais incomodada foi o fato do filme não te deixar sequer apreensivo. Nem mesmo a trilha sonora tão forte em filmes de terror se fez presente nesse filme.

A filme é lento, demora para se desenvolver, e falhou na maior premissa de um filme de terror, não da medo algum. Percebi pessoas mais rindo do que se assustando no cinema e isso me deixou muito chateada, pois eu esperava mais de uma adaptação da obra do King. Sabemos que  Stephen lida com o horror de uma forma diferente, ele não se baseia em jump scares ou cenas muito chocantes, ele trabalha todo o psicológico da pessoa e por isso suas obras são tão respeitadas. Apesar de usar do sobrenatural, acho que o maior ponto de horror das suas obras são coisas muito mais próximas de nós, as pessoas. Jason Clark acho que foi o ator que mais passou esse sentimento, pois podemos acompanhar bem de perto a alteração de sanidade dele ao longo do filme.

Mas quando eu vou ao cinema eu quero pelo menos ficar um pouco tensa vendo o filme, e isso não aconteceu. O filme de 89 pelo menos brinca um pouco com jump scares, na medida certa, para te deixar pelo menos apreensivo. Então para quem quer ver o filme, eu recomento que vejam o antigo primeiro.

Agora quero só fazer uma pausa para vocês verem que o gato por si só já é uma estrela, fiquem com essa foto dele na premier do filme.

Não sei vocês, mas eu ainda não superei Kingdom Hearts 3, ainda me pego deitada no meio da noite pensando nesse jogo lindo. Mas como se não fosse o bastante, Tetsuya Nomura, criador da série acabou de anunciar a DLC do jogo oficialmente.

Até onde sabemos serão 2 DLC’s, uma gratuita e uma paga. Na versão gratuita, será apenas uma nova keyblade e algumas transformações inéditas do Sora (nada de muito empolgante na minha opinião). Porém no modo pago o conteúdo será novas áreas e também um novo final secreto para o jogo (como se os cinco finais que o jogo teve não fosse o suficiente né não!) O pacote de DLC foi batizado de ReMIND e deve ser lançado perto de junho. Seguem algumas informações mais detalhadas que temos até agora:

Pago:

  • Cenário adicional “ReMIND”
  • Episódio limitado + Boss
  • Episódio secreto + Boss
  • Opção de vozes em inglês (para o Japão)

Gratuito:

  • Nova Keyblade + Nova forma

 

Apesar das informaçoes não sabemos sobre o que irá se tratar essas novas áreas jogáveis. Especula-se se seja alguma coisa relacionada a Xion, ou até mesmo a jornada de Sora para encontrar Kairi, porém nada confirmado ainda. quanto a questão do pacote de idiomas, eu espero que eles disponibilizem o áudio em japonês para quem comprou a versão em inglês do jogo, por que não sei vocês, mas eu tenho um sonho muito grande de jogar KH em japonês, apesar de amar muito a versão americana também, mas gostaria que essa nova opção de áudio fosse disponibilizada também, nos resta aguardar.

Para quem ainda não sabem, já tivemos a atualização do jogo com o critical mode, ou seja, o modo beeem difícil do jogo. ainda não joguei, porém tenho ouvido boas reações. Essa atualização é gratuita para todos que compraram o jogo e já finalizaram o game, só ir lá no menu e selecionar o critical mode pra passar nervoso!