Escolhidos para você

Você curte sci-fi? Ficção científica é um gênero que normalmente lida com conceitos especulativos e imaginativos, ou seja, coisas relacionadas principalmente com o futuro, que envolvem ciência e tecnologia. Esse ano tenho me dedicado mais a ler este gênero e sempre gosto de compartilhar as minhas leituras lá no instagram. Então, para comemorar o dia o orgulho nerd (que foi ontem) decidi selecionar algumas obras de ficção científica, escritas por mulheres, onde o foco está na reflexão sobre a sociedade. Narrativas de fácil compreensão para quem quer começar a se aventurar no gênero. Vamos lá?

1 – Kindred – Octavia E. Butler

Sinopse: Em seu vigésimo sexto aniversário, Dana e seu marido estão de mudança para um novo apartamento. Em meio a pilhas de livros e caixas abertas, ela começa a se sentir tonta e cai de joelhos, nauseada. Então, o mundo se despedaça.
Dana repentinamente se encontra à beira de uma floresta, próxima a um rio. Uma criança está se afogando e ela corre para salvá-la. Mas, assim que arrasta o menino para fora da água, vê-se diante do cano de uma antiga espingarda. Em um piscar de olhos, ela está de volta a seu novo apartamento, completamente encharcada. É a experiência mais aterrorizante de sua vida… até acontecer de novo. E de novo. Quanto mais tempo passa no século XIX, numa Maryland pré-Guerra Civil – um lugar perigoso para uma mulher negra –, mais consciente Dana fica de que sua vida pode acabar antes mesmo de ter começado.

Kindred é uma ficção científica sobre questões raciais. Dana consegue viajar no tempo, mas ela não vai para o futuro. A proposta do livro é mostrar como era o cotidiano escravista no século XIX.  A experiência de viajar no tempo pode ser maravilhosa, mas nesse ambiente e nas condições de Dana, não era. Ela é mulher, negra e voltou em um período da História em que a escravidão estava presente; vivenciou humilhações, chibatadas, mortes, estupros e tudo de desumano que havia naquela época. Os livros da Octavia incomodam e são perfeitos para te tirar da zona de conforto. Aliás, a narrativa é fluída e de fácil compreensão. Portanto, recomendo muito!

 

2 – A longa viagem a um pequeno planeta hostil – Becky Chambers

Sinopse: A tripulação da nave espacial, Andarilha, é composta por indivíduos de espécies, gêneros e planetas diferentes, incluindo um médico de gênero fluido, que transita entre o masculino e o feminino ao longo da vida e uma estagiária nascida nas colônias de Marte, uma piloto reptiliana. Temas como amizade, força feminina, novos conceitos de família, poliamor e racismo fazem parte do universo do livro, assim como cada vez mais fazem parte do nosso mundo.

Beck aborda com naturalidade assuntos tão atuais e importantes que precisam ser discutidos. Eu gostei tanto da leitura e do que ela representa. Temos personagens femininas incríveis que fogem de qualquer esteriótipo. É um livro que trabalha a diversidade e achei isso maravilhoso. De fato me senti representada! Ela abordou assuntos polêmicos com tanta naturalidade (o que todos deveriam fazer) que dá gosto de ler. E aqui vemos diversidade de gênero, espécie, sexualidade e até estrutura familiar.

E o mais importante é a mensagem transmitida. Porque com inúmeras raças convivendo juntas é importante compreender e aceitar o próximo. Entender que é necessário respeitar as diferenças e que o preconceito não deve ter espaço na sociedade. Portanto, em A longa viagem a um pequeno planeta hostil a intolerância realmente não tem espaço.

3 – Mais fortes, mais velozes, mais belos – Arwen Elys Dayton

Sinopse: Seis histórias interconectadas num futuro distópico. Uma obra extraordinária que explora as incríveis possibilidades da manipulação genética e extensão da vida, bem como os dilemas éticos que podem trazer esses avanços. Os resultados vão do divino ao monstruoso. Profundamente reflexivo, comovente, aterrorizante e cheio de ação, um livro inovador tanto na forma como no conteúdo.

Em Mais fortes, mais velozes, mais belos vamos encontrar seis contos de ficção científica sobre modificação humana e como a ciência e a genética podem afetar nossos corpos e a nossa existência. Tanto que a autora apresenta especulações e reflexões interessantes que nos fazem pensar quanto tempo falta para coisas assim acontecerem. Devemos modificar os nossos corpos? Se existir essa possibilidade, até onde essas alterações serão aceitáveis? Mais do que isso, a autora fez com que eu me atentasse e pensasse em quem teria acesso a esse tipo de tecnologia. Seria algo limitado para pessoas privilegiadas

Já leu algum desses livros de ficção científica? Lembrando que essa lista é bem pessoal! Tem alguma indicação para quem quer começar a ler sci-fi?

Beijos