4
abr
2018

Primeira imagem de As Assombrosas Aventuras de Sabrina é bem animadora

Postado em | HQ, Internet, Netflix, Série

Eu sempre falo sobre a minha expectativa com os próximos lançamentos da TV e do cinema, mas se tem uma série que eu estou ansioso para que comece logo é As Assombrosas Aventuras de Sabrina que está sendo produzida pela Netflix. Como eu contei anteriormente no blognesse post aqui – eu tenho uma história com essa bruxinha.

O seriado que contará as aventuras da famosa Aprendiz de Feiticeira deve ser baseado nos quadrinhos produzidos pela Archie Comics e deve trazer uma Sabrina mais sombria do que divertida, como era na série dos anos 90.

Hoje o produtor Roberto Aguirre Sacasa publicou em seu twitter a primeira imagem da série mostrando o par romântico formado por Kiernan Shipka e Ross Lynch, intérpretes de Sabrina e Harvey respectivamente. Em seu post, ele comentou como o casal está adorável!

A julgar pela caracterização de Sabrina, da pra perceber que, se eles não pretendem seguir os quadrinhos à risca, ao menos vão agradar aos fãs da HQ com referências nada discretas!

Infelizmente, a Netflix ainda não divulgou nenhuma previsão de data para a estreia do show, mas ficamos aqui ansiosamente no aguardo!

Eu espero que seja incrível!

E vocês? O que esperam de As Assombrosas Aventuras de Sabrina?







9
mar
2018

Atriz mirim de Logan será a protagonista de A Bússola de Ouro

Postado em | Novidade, Série, TV

Faz um tempão (foi lá em 2015) que eu falei nesse post aqui que a saga “Fronteiras do Universo” – cujo primeiro volume é A Bússola de Ouro – ia virar uma série na BBC.

Na época, eu contei como o filme não valorizou o livro no qual ele foi inspirado e que eu esperava do fundo do coração que a série conseguisse desenrolar melhor a história, porque tenho muito carinho por essa saga! E a julgar pela última notícia, o negócio está começando bem!

Dafne Keen – a carismática e incrível atriz mirim que interpretou a X-23 em Logan – viverá Lyra Belacqua, a protagonista da série. A história narra a trajetória da menina junto do seu daemon Pan, e mostra as aventuras, perigos e viagens a universos paralelos vividos pela dupla.

Para mim essa notícia é fantástica. A menina tem potencial de sobra e acho que será uma ótima Lyra. E se o enredo dos livros for melhor explorado na série, mostrando tudo o que a história tem a oferecer, sem dúvida alguma será um sucesso absoluto!

Além de Dafne, Tom Hooper (O Discurso do Rei) está confirmado como produtor executivo, showrunner e ainda deve ser o diretor de alguns episódios.

A Bússola de Ouro ainda não tem data de estreia e já estou aguardando ansioso!

Mais alguém leu as “Fronteiras do Universo”? O que esperar dessa série?







6
dez
2017

Crítica: Dark (série da Netflix)

Postado em | Crítica, Netflix, Resenhas, Série, TV

Vocês lembram quando eu falei, nesse post aqui, sobre uma nova série original Netflix que tinha uma pegada Stranger Things chamada Dark? Pois bem, ela já saiu, eu já maratonei e agora vou contar pra vocês o que eu achei da primeira temporada!

Caso vocês não se lembrem, segundo a sinopse, o desaparecimento de duas crianças na pequena cidade alemã de Winden abre um abismo que muda completamente o conceito de tempo. A pergunta não é quem sequestrou as crianças… mas quando.

Vamos por partes… Acho que a primeira coisa a deixar claro aqui é que a série não tem muito a ver com Stranger Things. Ela tem cenas fortes e situações bem complexas que não dá pra qualquer idade assistir. Além disso, você precisa estar familiarizado com termos como Buraco Negro, Buraco Branco e Buraco de Minhoca e mesmo assim vai fritar uns miolinhos pra tentar entender tudo o que esta acontecendo.

Não foi nem uma, nem duas e nem três vezes que eu e minha digníssima demos pause pra discutir alguma cena e tentar entender o que se passava. E a forma como eles conduzem o começo da série não ajuda muito. Os personagens principais e suas famílias são todos introduzidos de uma vez e você fica meio perdido até conseguir identificar quem é filho, tio, irmão e parente de quem.

Mas depois que engrena, meu amigo…. O negócio é bem viciante. A série te prende e você fica tentando adivinhar quem é quem, que não é quem diz que é e quem não pertence ao lugar que está. E esse exercício de tentar entender a série é legal demais. Ela é complexa, mas felizmente, as respostas vão aparecendo ao longo da temporada.

Só tem uma coisa que me deixou um pouquinho decepcionado. Pelo menos ate agora, ninguém revolucionou nada sobre o conceito de tempo. Eles trabalham com viagens no tempo de forma bem tradicional até, dentro do que eu gosto de chamar de tempo cíclico – o mesmo tipo de viagem no tempo que vimos em Harry Potter por exemplo.

Claro que foi só a primeira temporada e muita coisa ainda pode mudar. E eu espero que trabalhem isso nas próximas temporadas. Mas se vocês querem uma boa série de ficção pra assistir, com uma pegada mais adulta e que vai te exigir um pouco de reflexão, Dark tem que estar entre as suas próximas escolhas.

Um detalhe: eu já assisti filmes em alemão e isso não me incomoda. Mas a Bru estava achando muito estranho, então o que fizemos? Deixamos a legenda em Português e mudamos o áudio pra inglês. Então, fica a dica caso a lokale klassische sprache esteja atrapalhando vocês!

Dark já tem os 10 episódios da primeira temporada disponíveis na Netflix e eu super recomendo!

Mais alguém já assistiu?