Escolhidos para você

3 posts encontrados na tag assassinato

Olá galera do Pausa Para Nerdices, essa semana estreia a mais nova versão cinematográfica de Assassinato no Expresso do Oriente, um clássico do romance policial escrito por Agatha Christie e publicado pela primeira vez em 1934.

A história já virou filme nos idos de 1974, e hoje temos a chance de desfrutar de um novo longa que tive a oportunidade de conferir em pré-estreia. Assassinato no Expresso do Oriente conta um dos casos do detetive Hercule Poirot, que em meio a uma viagem se depara com um misterioso assassinato em um trem, cujo todos os passageiros e funcionários tornam-se suspeitos, presos no meio do caminho devido uma avalanche, Poirot terá pouco tempo para desvendar o caso antes que a viagem prossiga e o assassino fuja impune. E olha, devo dizer que o longa me agradou bastante em diversos aspectos, os quais agora falarei um pouco para vocês.

Primeiramente, para quem não chegou a ler a obra ou ver o filme antigo, não se preocupe, pode ir assistir tranquilamente que você sentirá vontade de conhece-los depois. Com a tecnologia que temos nas gravações o filme ficou ainda mais belo em suas ambientações e te leva direto para a década de 30 em meio às paisagens deslumbrantes do Oriente. Além disso, devo dizer que a forma como a cenas e os fatos são apresentadas valoriza e muito o suspense que a história carrega. Takes em close, takes vistos por cima e takes longos sem cortes foram muito bem trabalhados.

Com isso fica fácil se prender ao filme e você nem sente as quase duas horas de sessão; não trava e nem cansa quem estiver assistindo. Para quem já conhece a história, será inevitável não fazer comparações, mas a fidelidade permanece, apesar de que talvez possa estranhar a forma como algumas personagens foram construídas aqui.

Kenneth Branagh como o detetive Hercule Poirot transmite a fidelidade de um dos maiores detetives do mundo, apesar de considerar a versão de 1974 um pouco mais próxima do que imagino pelos livros. Michelle Pfeifer também se saiu muito bem em seu papel. E ver Daisy Ridley por aqui como uma jovem forte independente dos anos 30 também foi muito bom.

É preciso ficar atento e acompanhar os diálogos para tentar desvendar o assassinato, uma vez que isso sem dúvida é a melhor parte do filme e de fato, assim como na história original, só acaba sendo revelado nas partes finais, não sem antes surpreender novamente.

O “novo” Assassinato no Expresso do Oriente me fez sair do cinema com um ar de satisfação, um daqueles filmes que te faz comtemplar as cenas e diálogos e depois pensar a respeito, que traz os mesmos temas sociais de debates implícitos na obra original e que hoje são discutidos todos os dias nas redes sociais.

Recomendo que assistam pois certamente sairão satisfeitos, eu pelo menos já fiquei com gostinho de quero mais dos livros de Christie nas telonas. Quem sabe?!

O filme estreia em 30 de Novembro.

Fazia muito tempo que eu não ia no cinema assistir a um filme de terror. Mas juntei a família e fomos conferir o terror teen A Morte te dá Parabéns.

Expectativa: A história não tem nada de revolucionária. Então eu esperava um um enredo criativo que fizesse com que esse filme fosse diferente de outros que utilizam mesmo princípio de “ficar preso no mesmo dia em looping eterno”.

Realidade: Antes de mais nada, tenha em mente que é um filme teen. Por isso ele tem uma mensagem, um pouco de humor e lições de moral. E o que faz com que seja diferente é justamente o mistério que envolve a morte da personagem principal.

Na sinopse, Tree (Jessica Rothe) é uma jovem estudante que trata mal os meninos, desdenha das amigas e não parece estar muito disposta a atender as ligações do pai no dia do aniversário dela. No fim do mesmo dia, no entanto, ela é brutalmente assassinada por um mascarado. Acontece que ela “sobrevive“, ou melhor, acorda no mesmo e fatídico dia, numa espécie de looping macabro, que termina sempre com a morte da garota. Repetir, seguidamente, o mesmo dia, por outro lado, dá a Tree a chance de investigar quem a está querendo morta e o porquê.

Filmes em que o personagem principal volta no mesmo dia repetidas vezes normalmente tem como objetivo descobrir o motivo pelo qual o personagem vive esse looping. Mas no caso de A Morte te dá Parabéns isso não é importante. O importante é saber porque Tree é brutalmente assassinada sem que aparentemente existe um motivo para isso.

A cada vez que ela volta e tenta descobrir o seu futuro assassino, acontecem diversas reviravoltas e você sempre acha que descobriu quem é o culpado. Em uma certa cena, eles dão um Spoiler e se você for uma pessoa atenta e conseguir conectar os pontos talvez descubra antecipadamente quem é que está por traz da mascara de bebê. Caso contrário, vai ficar só pra ultima cena mesmo

Em resumo a premissa é batida mas o enredo divertido, leve e curioso (e não exagera nos sustos) faz com que o filme proporcione uma boa diversão para quem gosta de bancar detetive no cinema!

7 Mascaras de Bebe de 10 possíveis (o filme ganha pontos extra pela referência muito pertinente de “O Feitiço do Tempo”! xD)

Se você não foi ver ainda, e tiver de bobeira no shopping, vale a pena conferir!

Mais alguém assistiu? O que vocês acharam?

Você gosta de uma boa história de terror não é mesmo? E ai foi assistir American Horror History e nem sabia que a série guarda várias histórias reais de terror!

american_horror_story (1)

Vou te contar aqui as histórias por de trás dessa série que está fazendo muito sucesso!

Primeira Temporada – Casa dos Assassinatos

american_horror_story (2)

Black Dahlia

american_horror_story (3)

Elizabeth Short, ou como era conhecida, Black Dahlia, era uma jovem aspirante a atriz que foi brutalmente assassinada em Los Angeles em 1947. Seu corpo foi separado ao meio e sua boca foi cortada ao melhor estilo coringa. Seu assassino nunca foi encontrado. 

Richard Speck

american_horror_story (4)

O assassinato das duas enfermeiras na famosa Casa dos Assassinados foi inspirado em Richard Speck, que em 1966 invadiu um dormitório feminino, estuprou, e assassinou 8 estudantes de enfermagem.

Segunda Temporada – Hospício

american_horror_story (1)

Betty e Barney Hill

american_horror_story (5)
Kit e Alma foram baseados no casal Betty e Barney Hill, que alegaram que durante uma viagem de carro, começaram a ouvir estranhos sons do lado de fora e então uma forte luz apareceu e eles ficaram inconscientes. Ao se recuperarem eles perceberam que haviam perdido algumas horas, ou seja, tinham sido abduzidos.

Ed Gein

american_horror_story (2)

A decoração da casa do Doutor Oliver Thredsen foi baseada nos itens feitos de pele e ossos humanos encontrados na casa de Ed Gein. Gein acabou confessando que matou 2 mulheres em 1950.

Terceira Temporada – Bruxas

american_horror_story (6)

Delphine Lalaurie
american_horror_story (7)

Interpretada pela incrível Kathy Bates, Lalaurie foi uma socialite dos anos 1800 em Nova Orleans. Devido a um incêndio que se iniciou na sua cozinha, a pericia acabou descobrindo que a terrível mulher torturava e mutilava vários dos seus escravos no porão. Sua casa que ainda existe, dizem ser assombrada até hoje.

O Homem do Machado

american_horror_story (8)

O homem do machado foi inspirado em uma série de assassinatos que aconteceram entre 1918 e 1919 também em Nova Orleans. As vitimas foram mortas à machadadas e o autor nunca foi encontrado.

Quarta Temporada – Freakshow

american_horror_story (9)

O Palhaço Twisty

american_horror_story (10)

John Wayne Gacy se vestia de palhaço para animar festas  em 1972. Conhecido como Pogo, ele estuprou, matou e queimou ao menos 33 jovens meninos até 1978 na sua propriedade em Illinois. 

Schlitze Surtess

american_horror_story (3)

Nascido com microcefalia, Surtess tinha má formação do seu crânio e cérebro.  Conhecido também como Cabeça de alfinete, ele foi a inspiração para Pepper e Salty. Ficou famoso em 1937 pela sua atuação no filme Freaks.

Quinta Temporada – Hotel

american_horror_story (11)

Richard Ramirez

american_horror_story (12) 

Ramirez era conhecido como o Stalker da noite e ocupou temporariamente o último andar do Hotel Cecil em Los Angeles. Durante sua estadia ele matou 13 pessoas, e jogou os corpos em uma vala atrás do Hotel.

H. H. Holmes

american_horror_story (13)

O personagem James March, interpretado por Evan Peters foi inspirado pelo senhor H. H. Holmes, considerado o primeiro Assassino em série dos Estados Unidos. Holmes construiu um Hotel em Chicago em 1886, onde ele carinhosamente apelidou de “Castelo das mortes“. Ele usou esse hotel para confundir e colocar armadilhas para os clientes para matá-los no final.

É minha gente, não é fácil não. Já conhecia todas essas histórias? Se souber de mais alguma, coloca nos comentários que eu quero saber!