Escolhidos para você

Olá pausadores, é chegado o dia. Hoje ocorre o lançamento de Pokémon Let’s Go Pikachu/Eevee, o mais novo jogo da série, para Nintendo Switch, que promete redescobrir as origens dessa série já consagrada. Como de costume, duas versões do mesmo jogo estão disponíveis para os jogadores escolherem.. Cada uma com suas particularidades, mas com a mesma gameplay.

Pokémon Let’s Go Pikachu/Eevee trará a região de Kanto e você tem a opção por iniciar sua jornada com Pikachu ou Eevee como amigo. Passar por todas as rotas e encontrar monstrinhos soltos mundo afora. Desta vez eles estarão visíveis no ambiente e você poderá inclusive utilizar um controle específico para o game. A pokéball plus controller. Ela funciona no mesmo esquema que uma pokébola do game. Fingir arremessá-la é o meio para se capturar novos pokémons. Claro, isso não é obrigatório, mas sim uma maneira de ficar mais imersivo no jogo.

Desta vez há uma lista de pokémons que você poderá usar de montaria, dentre eles. Charizard, Aerodactyle, Starmie, Rapidash e até o Hunter são um exemplo. Isso ajudará e muito no deslocamento pelo mapa. Os esquemas e estratégias serão cruciais nas batalhas mais pro-player. E ainda será possível realizar um co-op game; este por sua vez equivaleria a um “modo fácil” do jogo. Você poderá entrar praticamente em qualquer batalha junto com um amigo. Veja isto como uma maneira de facilitar para que qualquer pessoa possa jogar e se divertir com o game, desde seu irmãozinho até a sua avó.

O que esperar para um jogo futuro?

Todavia, Pokémon Let’s Go Pikachu/Eevee ainda não seria o que os fãs mais calorosos esperam da Pokémon Company e da Game Freak. O grade jogo certamente ainda está por vir, talvez ainda em 2019 ou no mais tardar no fim dele ou começo de 2020. O atual lançamento ainda possui uma interação com Pokémon Go. Permite que você passe seus monstrinhos para o jogo do Nintendo Switch e depois os capture em uma zona de safari particular.

Como eu já havia pensado, este jogo servirá para manter um hype nos players, e preparar o terreno para o próximo Pokémon. Claro que dentro do atual, muitas mecânicas e processos aqui inseridos servirão como um teste. A questão da integração com Pokémon Go também é muito relevante. E, após 20 anos de franquia, o que vejo aqui é uma busca por novos horizontes, um recomeço. Atrair a nova geração de players. Com isso fico remoendo, o que falta para eles inventarem agora?

É isso aí, pretendem comprar o jogo? Deixa aí nos comentários.

No último fim de semana aconteceu a Jedicon 2018 e esta foi a primeira vez em que participei de um evento como este, voltado principalmente, mas não exclusivamente ao público fã da saga Star Wars.

Ao chegar fiquei um pouco perdida com o espaço. Tratava-se de um colégio e as áreas do evento estavam bem dispersas nas dependências do local, porém consegui me encontrar e olhar cada um dos estandes presentes. Muitos deles voltados para colecionáveis, brinquedos, action figures e outros itens temáticos.

Um dos locais estava vendendo um mini holograma, daqueles que você posiciona sobre uma tela de celular ou tablet e ele reproduz a imagem tridimensionalmente. Ficaria muito legal com aquela clássica cena da Princesa Léia.

Em outro estande havia diversas camisetas para você escolher, tanto se fosse do Império ou do lado dos rebeldes, ou mesmo ainda um caçador de recompensas. A área de entrada contava já com um palco e um DJ Tropper tocando hits pop para manter a energia no lugar, e logo mais ao lado estava mais uma área de estandes, inclusive com mesas para artistas independentes apresentarem sua arte e seus quadrinhos.

 

O que me chamou a atenção foram os quadrinhos com temáticas nacionais, trabalhando os contextos de nosso folclore. Havia ainda auditórios com palestras e apresentações de vídeos. Um setor de alimentação que tinha por perto réplicas bem fieis de bustos de personagens de Star Wars (quis levar o do Darth Vader para casa, mas não deu >>> $$$$).

E quase escondido, estava o setor de jogos. Na área de jogos tinham diversas partidas oficiais de RPG acontecendo. Mas o que me deixou espantada foi o trabalho e o cuidado que tiveram ao criar uma maquete-cenário para que o jogo acontecesse.

As mini-figures já vem prontas, porém com aspecto neutro, e alguns jogadores decidiram pintar à mão estas peças do jogo e ainda criar, tanto manualmente como em impressora 3D, o resto do cenário onde a partida acontece. Fiquei admirada.

No segundo palco montado estavam rolando apresentações e encenações de cosplayers. E diga-se de passagem, haviam muitos deles por lá. Inclusive um Jar Jar Binks, mas não consegui fotografá-lo. O que me chamou a atenção foi a quantidade de cosplayers mirins, juntos de seus pais que também estavam vestidos à caráter.

Isso mostra a importância e a relevância da saga para os fãs. O espaço eu achei um pouco apertado para a quantidade de estandes e pessoas que visitavam o evento. Os corredores ficam muito pequenos em certos momentos, e dificultava até para fotografar os cosplayers.

Compreendo os limites do local do evento, mas isso gerava um certo desconforto. Além do evento em si, consegui encontrar a minha amiga Naty. Ela faz biscoitos temáticos, inclusive com tema de Star Wars e claro que aproveitei para levar alguns para casa. Escolhi o Yoda e a Léia. São muito saborosos e também aproveitei para comprar uma caneca com glitter.

Gostei da experiência e já estou ansiosa para ir ano que vem.

 

Já faz algum tempo que a Disney anunciou sua própria plataforma de streaming e, na semana passada, o CEO Bob Iger revelou o nome oficial do serviço: Disney+. Em abril, poderemos ter uma prévia do mesmo, mas ele não será lançado até o final de 2019.

Os mais ansiosos já podem cadastrar seu e-mail no site do Disney+, que foi lançado junto com o anúncio do nome oficial. Clique aqui para acessar! Tendo uma versão BR do mesmo, a gente logo supõe que sim, teremos o Disney+ no Brasil também. Só esperamos que o lançamento por aqui seja ao mesmo tempo do gringo 😛

O serviço de streaming irá contemplar títulos da Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic. Isso inclui todos os filmes e séries do catálogo dessas marcas e ainda produções exclusivas. Por causa disso, as franquias dessas empresas devem sair da Netflix em breve.

Quanto aos conteúdos exclusivos, já foram confirmados uma série de High School Musical e duas de Star Wars, uma em animação e outra em live action. Para os fãs da Marvel, também só há notícia animadora: quatro personagens devem estrelar seus próprios seriados. Loki é um deles, e o ator Tom Hiddleston comentou sobre o assunto de forma misteriosa em suas redes sociais. Kevin Feige se responsabilizará pela produção, que deve contar com 6 a 8 episódios.

Os outros personagens que terão destaque no Disney+ são Feiticeira Escarlate (possivelmente com a participação do Visão) e a dupla Falcão e Soldado Invernal. Os programas devem contar com um orçamento tão grande quanto dos filmes, além da participação dos mesmos atores do universo cinematográfico. O objetivo é poder contar as histórias de heróis que não possuem filme solo.

Eu já estava animadíssima por esse serviço de streaming da Disney, simplesmente porque é tudo que eu sempre sonhei: um lugar com todos os filmes reunidos! Agora, com a notícia de que a minha vingadora preferida, Wanda Maximoff, será a grande estrela de um seriado, fiquei ainda mais enlouquecida. Tudo bem que eu preferia que a história dela fosse contada nos cinemas, e que a personagem e seus poderes (que não são poucos) fossem melhores trabalhados. Mas tá, eu me contento (e muito) com uma série – que eu tenho certeza que irá superar minhas expectativas e anseios, ainda mais se for a Elizabeth Olsen no papel principal. Outra coisa que eu ia amar muito é se disponibilizassem o antigo seriado de A Pequena Sereia da Disney Channel, exibido nos anos 90. Quem lembra? Haha! E me conta também, o que vocês mais esperam do Disney+? *-*