Escolhidos para você

Faz algum tempo que eu já terminei esse livro, porém sempre me pego pensando nele, então decidi compartilhar o que eu achei desse incrível compilado de casos de Serial Killers. apesar de ser um termo bem recente, começou a ser utilizada apenas nos anos 70, esse tipo de criminoso sempre existiu.

O livro de Harold Schechter é com certeza uma das coletâneas mais completas que eu já tive acesso em português, e o trabalho da Dark Side com o livro deve ser enaltecido, pois o livro é muito bem editado, organizado além de ter a capa dura e com textura. Descobri minha paixão por esse assunto depois de ter visto aquela série “Mind Hunters” da Netflix, que é inclusive muito boa. Comecei a me interessar bem mais pelo assunto de Serial Killers, o que me levou a esse livro.

E olha, é um assunto fascinante, entender como a mente dessas pessoas trabalha e o que levas essas pessoas a cometerem esses tipos de crimes tão horríveis. O livro separa e categoriza de forma bem didática todos os “tipos” de serial killers que temos até hoje (vai que um novo tipo surge não é mesmo) e dentro dessas características conhecemos pessoas do mundo inteiro das mais diversas épocas do mundo. Foi com certeza um trabalho muito bem feito. Da para aprender muito e ter uma leve noção do que se passa na cabeça de um assassino em série.

Apesar de ter 472 páginas, não precisa se acanhar, para quem não gosta muito de livros grandes, ele é cheio de ilustrações, fotos reais de casos e é escrito de uma forma bem fluida e que da vontade cada vez mais de saber sobre essas pessoas tão peculiares. São histórias reais de assassinos reais que pode estar dentro do seu trabalho, dentro da sua comunidade ou mesmo dentro da sua casa.

Olá pessoal, tudo bem? Não é de hoje que ocorrem eventos nos jogos do Nintendo Switch. Desde o seu lançamento vem acontecendo muitos deles e cada jogo com seu próprio evento e data. Os mais conhecidos são o Splatfest, de Splatoon; Party Crash, de ARMS, e recentemente eventos de Mario Tennis Aces e agora, Spirit Events de Smash Ultimate.

Mas do que se tratam afinal? Cada um desses eventos tem uma característica diferente. O splatfest, por exemplo, cria dois times com base em escolhas que se opões (katchup X mostarda; futebol X basquete, etc). O jogador seleciona uma das equipes que lhe agrada e batalha em um local específico do evento. Uma vez que participa e acumula XP e pontuações, ao final de 3 dias de evento (geralmente fim de semana), receberá recompensas.

As recompensas costumam ser itens. Algo similar ocorre em Mario Tennis Aces. Onde você participa de torneios e desafios para obter itens também. Entretanto, os eventos de ARMS são para obter uma pontuação, moedas do jogo e insígnias. Estas por sua vez também são específicas do evento, mas podem ser obtidas depois em outro evento subsequente.

E mais recentemente temos os Spirit Events, de Super Smash Bros Ultimate. Neste evento que ocorre também por 3 dias, aos finais de semana, um grupo de spirits (cards) são selecionados e aparecerão com maior frequência. Alguns deles são exclusivos do evento e só aparecerão nesses dias, logo, é preciso ficar atento e tentar libertá-los; podendo assim utilizar suas habilidades depois nas lutas.

Todavia, você pode libertar em sequência os spirits do evento até que apareça o que você quer. Como se não fosse suficiente, libertar esses spirits lhe garante também maiores recompensas, como moedas e pontos de spirit.

Por fim

É uma maneira muito comum de manter os jogos ativos. Uma vez que a Nintendo não tem um modo de conquistas similar ao das concorrentes em seus jogos, ao menos isto permite e incentiva os jogadores a manter o game em movimento. No meu ver é uma maneira válida de manter o produto e ainda a interatividade com o público. Entretanto, espero que isso sirva para otimizar os processos e levar outros novos eventos e quem sabe incluir depois o sistema de conquistas.

Aliás, hoje está acontecendo Spirit Event no Smash e Party Crash no ARMS.

You apareceu na hora certa por aqui. Estava procurando algo para assistir e dei de cara com essa novidade no catálogo da Netflix. Apesar de ter visto algumas pessoas comentando sobre a história original, pois a série foi baseada na obra de Caroline Kepnes, ainda não tive a oportunidade de ler. Logo na sinopse, vi que é um prato cheio para os fãs de livros, pois o protagonista é gerente de uma livraria. 

O que posso adiantar é que depois de assistir os 10 episódios, comecei a refletir sobre as coisas que compartilho nas redes sociais. Me dei conta de que não tenho a “privacidade” que faço tanta questão de ter. Aliás, como você preserva a sua? Publico tanta coisa que me esqueço da facilidade e da quantidade de informações que as pessoas têm ao jogar nosso nome no Google. E na história, por conta dessa exposição, Beck acaba atraindo a atenção da pessoa errada (ou seria a certa?).

MAS DO QUE SE TRATA A SÉRIE?

Joe quer te convencer que é o cara certo. Ele é atencioso, dedicado e faz tudo para que Beck recupere a confiança em si mesma. E apesar do primeiro encontro deles ter sido ocasional (eles se conheceram na livraria em que Joe trabalha), o destino acaba aí. Após descobrir o nome da jovem estudante, o livreiro começa rastrear os seus passos e até descobre onde ela mora.

O livreiro é obcecado pela estudante e se sente responsável por sua segurança. Ele acredita que Beck se relaciona com as pessoas erradas e que merece uma vida melhor (ao lado dele). Por isso, não medirá esforços para tirar estas pessoas do caminho dela.

A série é bem envolvente e precisei maratonar para saber do final. You é narrado de maneira única , pelo ponto de vista do próprio Joe. Isso faz com que o expectador ouça a forma como ele interpreta os seus sentimentos por Beck e como é incapaz de ver em si mesmo as características abusivas e violentas que ele tanto detesta em outros homens.

Sem falar que Joe não é todo mal. Ele protege e gosta do seu vizinho, uma criança cujo a mãe se envolveu com um cara agressivo. Há algumas situações em que senti até empatia pelo personagem e Beck ajudou nesse quesito. Apesar dela ser descuidada e ingênua em algumas questões, ela mente. E por não ser aquela personagem perfeita, isso faz com que a gente a julgue e até esqueça das coisas que Joe fez. No entanto, não se engane, pois ele não é a vitima da história. 

A série foi renovada! E se você ainda não assistiu, vale super a pena!