Escolhidos para você

304 posts encontrados na categoria Série

Olá gente, tudo bem? Finalmente pude ver a série dos Titans da DC Comics, que está bem sombria e violenta por sinal, mas pelo que pude constatar, não tão fiel assim aos quadrinhos. A série chegou à Netflix neste mês de janeiro e praticamente a maratonei em um fim de semana.

Eu não conheço profundamente todo o Universo DC, as suas tramas, mundos paralelos e arcos por completo. Entretanto, tenho um pouco de conhecimento da série dos Titans, acompanhei outras animações produzidas anteriormente, e li algumas de suas HQs há algum tempo.  E o que vi na série dos Titans atual me fez parar para refletir um pouco. Principalmente aonde os produtores e a Warner querem chegar com ela.

Fidelidade aos quadrinhos

Ela ficou claramente descaracterizada de fidelidade aos quadrinhos. Poderíamos esperar uma linha de episódios e temporadas baseados nos primorosos arcos dos Titans das HQs. Tendo ainda a presença do Ciborgue. Porém, ficou claro que optaram por uma série muito mais contemporânea, bem violenta, um tanto quanto rápida e com diversas adaptações dos personagens. Tanto em sua fisionomia, poderes e modo de agir como nas causas e consequências que desenrolam a trama.

Não que exista pontas soltas e desconexas, mas que para quem tem conhecimento do assunto dos Titans, notará logo de cara tudo isso. Mas para quem não conhece, no meu ver, a série irá ser de bom grado e prender a atenção da pessoa.

E preciso ressaltar que o foco não está nem nos diálogos e nem na história contada. Muitos acontecimentos inclusive ocorrem muito rápido e de forma acelerada. Irá requerer da pessoa um processo de associação dos fatos enquanto assiste. Ainda dará liberdade a ela de conectá-los de uma maneira que deixe tudo ainda mais agradável.

Personagens

Dos principais personagens, estão presentes: Robin, Estelar, Ravena e Mutano. Dentre eles, Robin se destaca sendo mostrado dentro de um contexto próximo daquele quando procura por uma identidade própria. A ponto de se tornar enfim o Nightwing.

Estelar é uma “mulher” poderosa, uma vez que é alienígena e possui poderes que lançam energia pelas mãos e olhos, ela sempre precisa se controlar. Evitar matar as pessoas em combate. O que não acontece bem assim na série, mas sua personalidade forte e autoconfiança me chamaram a atenção.

Ravena e Mutano, ainda adolescentes e recém descobrindo seus poderes, me causaram a sensação de personagens rasos. Tinham muito a acrescentar aos dois, no meu ver. Ravena ainda mal compreende a si mesma, sua personalidade é muito introspectiva e ela precisa sempre procurar seu autocontrole. Acredito que poderiam melhorar e inserir mais coisas assim para a personagem na série.

Bem como Mutano, que ficou mais para o quebra-gelo, a parte cômica da série que te faz respirar e pegar fôlego entre uma luta e outra. Claro que ele tem isso como uma de suas características. Porém acho que ainda deveriam aproveitar mais o potencial dele e de seus poderes na equipe.

Concluindo

A série é de prender os olhos pelas suas cenas de ação, mas deixa muito a desejar em composição de história, enredo e diálogo. Você precisa se esforçar para ligar vários pontos e construir sequência de fatos. Todavia a fotografia e a questão de luz e sombras ficou bem trabalhada. As cenas de ação nem tanto, mas o impacto que as mesmas possuem é o que as fortificam.

Me pergunto então se eles irão conseguir melhorar esses e outros pontos na série dos Titans para aí sim ficar um pouco mais satisfatória. Enquanto isso, continuarei fazendo as comparações de maneira inevitável.

You apareceu na hora certa por aqui. Estava procurando algo para assistir e dei de cara com essa novidade no catálogo da Netflix. Apesar de ter visto algumas pessoas comentando sobre a história original, pois a série foi baseada na obra de Caroline Kepnes, ainda não tive a oportunidade de ler. Logo na sinopse, vi que é um prato cheio para os fãs de livros, pois o protagonista é gerente de uma livraria. 

O que posso adiantar é que depois de assistir os 10 episódios, comecei a refletir sobre as coisas que compartilho nas redes sociais. Me dei conta de que não tenho a “privacidade” que faço tanta questão de ter. Aliás, como você preserva a sua? Publico tanta coisa que me esqueço da facilidade e da quantidade de informações que as pessoas têm ao jogar nosso nome no Google. E na história, por conta dessa exposição, Beck acaba atraindo a atenção da pessoa errada (ou seria a certa?).

MAS DO QUE SE TRATA A SÉRIE?

Joe quer te convencer que é o cara certo. Ele é atencioso, dedicado e faz tudo para que Beck recupere a confiança em si mesma. E apesar do primeiro encontro deles ter sido ocasional (eles se conheceram na livraria em que Joe trabalha), o destino acaba aí. Após descobrir o nome da jovem estudante, o livreiro começa rastrear os seus passos e até descobre onde ela mora.

O livreiro é obcecado pela estudante e se sente responsável por sua segurança. Ele acredita que Beck se relaciona com as pessoas erradas e que merece uma vida melhor (ao lado dele). Por isso, não medirá esforços para tirar estas pessoas do caminho dela.

A série é bem envolvente e precisei maratonar para saber do final. You é narrado de maneira única , pelo ponto de vista do próprio Joe. Isso faz com que o expectador ouça a forma como ele interpreta os seus sentimentos por Beck e como é incapaz de ver em si mesmo as características abusivas e violentas que ele tanto detesta em outros homens.

Sem falar que Joe não é todo mal. Ele protege e gosta do seu vizinho, uma criança cujo a mãe se envolveu com um cara agressivo. Há algumas situações em que senti até empatia pelo personagem e Beck ajudou nesse quesito. Apesar dela ser descuidada e ingênua em algumas questões, ela mente. E por não ser aquela personagem perfeita, isso faz com que a gente a julgue e até esqueça das coisas que Joe fez. No entanto, não se engane, pois ele não é a vitima da história. 

A série foi renovada! E se você ainda não assistiu, vale super a pena!

Já faz algum tempo que a Disney anunciou sua própria plataforma de streaming e, na semana passada, o CEO Bob Iger revelou o nome oficial do serviço: Disney+. Em abril, poderemos ter uma prévia do mesmo, mas ele não será lançado até o final de 2019.

Os mais ansiosos já podem cadastrar seu e-mail no site do Disney+, que foi lançado junto com o anúncio do nome oficial. Clique aqui para acessar! Tendo uma versão BR do mesmo, a gente logo supõe que sim, teremos o Disney+ no Brasil também. Só esperamos que o lançamento por aqui seja ao mesmo tempo do gringo 😛

O serviço de streaming irá contemplar títulos da Disney, Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic. Isso inclui todos os filmes e séries do catálogo dessas marcas e ainda produções exclusivas. Por causa disso, as franquias dessas empresas devem sair da Netflix em breve.

Quanto aos conteúdos exclusivos, já foram confirmados uma série de High School Musical e duas de Star Wars, uma em animação e outra em live action. Para os fãs da Marvel, também só há notícia animadora: quatro personagens devem estrelar seus próprios seriados. Loki é um deles, e o ator Tom Hiddleston comentou sobre o assunto de forma misteriosa em suas redes sociais. Kevin Feige se responsabilizará pela produção, que deve contar com 6 a 8 episódios.

Os outros personagens que terão destaque no Disney+ são Feiticeira Escarlate (possivelmente com a participação do Visão) e a dupla Falcão e Soldado Invernal. Os programas devem contar com um orçamento tão grande quanto dos filmes, além da participação dos mesmos atores do universo cinematográfico. O objetivo é poder contar as histórias de heróis que não possuem filme solo.

Eu já estava animadíssima por esse serviço de streaming da Disney, simplesmente porque é tudo que eu sempre sonhei: um lugar com todos os filmes reunidos! Agora, com a notícia de que a minha vingadora preferida, Wanda Maximoff, será a grande estrela de um seriado, fiquei ainda mais enlouquecida. Tudo bem que eu preferia que a história dela fosse contada nos cinemas, e que a personagem e seus poderes (que não são poucos) fossem melhores trabalhados. Mas tá, eu me contento (e muito) com uma série – que eu tenho certeza que irá superar minhas expectativas e anseios, ainda mais se for a Elizabeth Olsen no papel principal. Outra coisa que eu ia amar muito é se disponibilizassem o antigo seriado de A Pequena Sereia da Disney Channel, exibido nos anos 90. Quem lembra? Haha! E me conta também, o que vocês mais esperam do Disney+? *-*