Escolhidos para você

E aí pessoal, como estão? Hoje venho falar com vocês sobre aplicativos para celular, na verdade um aplicativo em específico: Rush. Se você sempre tem que passar por situações como filas, espera em consultórios, viagens, caminho do trabalho ou da escola, Rush é uma boa pedida para gastar o tempo de forma a nem perceber os minutos passarem.

Rush é um jogo muito simples, repleto de neon e música hightech. Ele possui uma jogabilidade onde se utiliza apenas um dedo, exigindo do jogador apenas que toque na tela, para redirecionar o caminho de uma esfera através de um percurso todo sinuoso. Loops, curvas acentuadas e obstáculos compõe todo o percurso a ser superado. O mesmo é demarcado por uma série de bandeiras, das quais é preciso desviar, a fim de evitar que a esfera exploda em um show de luzes.

A música por sua vez serve para levar o jogador ainda mais para a dentro do game. Intensa e ritmada, ela não permite que você pare para descansar, e nem pode, pois qualquer erro e você perderá a chance de completar o desafio. Um total de 100 desafios são disponibilizados, como por exemplo: atingir um determinado ponto na pista, trocar de pista X número de vezes ou pegar uma certa quantidade de jóias. Sim, jóias. Os itens especiais aqui são jóias, que podem ser utilizadas tanto como “continue” como para obter novas esferas.

Aliás, é uma esfera mais doida que a outra, divididas por tipo: comum, raro, épico, posições e segredo. No total são 50 esferas a serem desbloqueadas. Isso sem contar as pistas, num total de 25. Todas estas estatísticas podem ser conferidas no menu do jogo. Ele também lhe fornece gráficos de pontuação média e de recordes; e mais algumas informações.

Assim como qualquer outro app de jogo para seu celular, Rush tem um acesso premium para aqueles querem mais. Também apresenta um sistema de recompensas diárias, incentivando-o a entrar no jogo. Rush está disponível para Android e iOS. Foi produzido pela Ketchapp Games.

E aí galera do PPN, como estão?

Finalmente é chegada a hora do lançamento de Mega Man 11, marcando o retorno icônico robô azul aos games. E o que posso dizer é que temos uma mistura de nostalgia com gráficos e física mais atuais, o que torna ainda mais imersiva a experiência de se jogar este clássico.

Tive a oportunidade de testá-lo no Nintendo Switch e constatar a nova gameplay inserida, bem como os controles e comandos. Mega Man nunca foi muito minha praia, por assim dizer, não sou dos melhores jogadores desse game e sempre o considerei um game de nível médio para difícil. Sub-chefes e chefes podem ser um pesadelo enquanto você não pegar o time de seus movimentos. E ainda assim poderá sentir certa dificuldade. 

E isso está presente no Mega Man 11, instantaneamente lembrei daqueles dias da infância e de como era tenso passar algumas fases e algumas partes de outras. Os inimigos comuns continuam sendo uma pedra no sapato em certos momentos. Entretanto, temos a ajuda de Rush, o fiel “cãopanheiro” de Mega, que ajuda e muito a avançar nas horas mais complicadas.

Os controles me causaram certa dificuldade no início, pois é preciso se acostumar com a posição e utilização deles nas mais diversas situações. Além disso, há uma novidade… minto, duas na verdade. Bom, uma que se divide em duas: Engine Gear. Trata-se de um equipamento que agora faz parte das novas habilidades de Mega.

Uma lhe permite acumular mais energia e poder, realizando disparos ainda mais fortes, ajudando a derrubar inimigos mais rapidamente. A outra lhe permite ficar muito mais rápido, porém na visão dele é como se tudo ao seu redor se movesse bem lentamente, quase congelado. Assim as esquivas podem ficar mais eficientes, bem como acertar alvos que se movem rapidamente pela tela, aumentando a precisão do tiro.

É preciso saber equilibrar o uso da engine, pois ela não é infinita. E quanto mais utilizar, mais tempo irá levar para recarregá-la. E já ia me esquecendo, não é possível usá-las ao mesmo tempo, exceto se você estiver com pouca energia de vida.

Com isso, tenho que dizer que seria necessário horas de jogo para se adaptar às engines e assim tirar o máximo proveito delas nas lutas. Certamente esse elemento adicional deu um upgrade para Mega Man 11 ser um grande sucesso, assim como os games anteriores da franquia.

Bom pessoal, é isso aí! Mega Man 11 foi lançado esta semana para todas as plataformas.

GET READY!

“………………………………………” Por que eu comecei assim o post? Porque foi exatamente assim que eu sai e que você sairá do cinema após assistir ao filme Avengers – Infinity War. Um misto de sentimentos e sensações que poderão te deixar desnorteado sem saber para onde ir e como voltar para casa.

Vou falar de uma maneira mais geral por cima do filme e do que achei, pois qualquer mínimo detalhe de alguma cena poderá ser um spoiler desagradável a alguém. Mas já aviso, a Marvel soube colocar um equilíbrio em Avengers – Infinity War; um balanceamento entres os seus muitos personagens que aqui figuram. Suas aparições, seu clímax pessoal e suas falas foi tudo bem moldado e encaixado. Não só isso, mas também o entrosamento entre eles nas cenas de ação. E claro, nos seus momentos conflituosos, como não poderia deixar de ser.

Eu, nas mais de duas horas e meia de filme não poderia reclamar de algo. Até a vontade de ir ao banheiro desaparece com tudo que é mostrado. Cenas marcantes que farão um fã da Marvel sentir plena satisfação, mais ainda do que já tenha visto nos trailers, e olha que muitos preferem nem sequer ver isso e tentam a todo custo evitá-los. Sorte deles, que sentirão uma emoção ainda maior e se você for um desses fãs, aproveite ao máximo esses minutos quando estiver no cinema.

Avengers – Infinity War, assim como o resto do MCU (Marvel Cinematic Universe) tem suas adaptações. E a coesão entre todos os filmes lançados até agora se faz totalmente presente aqui; conforme os relembramos, vamos montando esse imenso Universo e ligando os heróis e heroínas. O vilão Thanos era o mais aguardo, pois a expectativa era ver se ele seria tudo aquilo que haviam prometido. E foi muito mais! Temos um Thanos carregado não só no seu poder como nos seus pensamentos e sentimentos, suas motivações e digo que é possível criar um novo olhar sobre ele, pude sentir isso no decorrer do filme.

É difícil citar muito mais coisas sem escorregar algum spoiler, penso agora em todas as cenas e como, desde o início ficava bolando como e quando “fulano” iria aparecer. Caminhando já para o final, a ansiedade toma conta e e você tenta compreender o sentido do que está acontecendo. Era para ser assim? Milhares de ideias para o próximo filme vão se formando na sua mente: como que isso vai desenrolar?

Fique até o fim dos créditos mesmo, a pós-cena eu achei até que singela (poderia ter um “Q” a mais), mas obviamente é importante para os laços que unem o MCU.

Vale muito a pena assistir a esse filme da melhor maneira possível. Tirando o 3D, porque a única coisa relevante que isso causou foi uma dor de cabeça depois da sessão, no filme em si são poucos os momentos em que esse 3D se torna um “wooow”.

Já assistiram ao filme e estão ansiosos pela sequência?