Escolhidos para você

Já assistiram o Diabo de Cada dia? Em uma cidade esquecida no interior de Ohio, a esposa de Willard Russell está à beira da morte, não importa o quanto ele beba, reze ou faça sacrifícios e oferendas. Com o passar dos anos, seu filho Arvin, uma criança negligenciada, torna-se um homem frio e cruel. Em torno deles, circula um nefasto e peculiar grupo de moradores — um insano casal de assassinos em série, um pastor que come aranhas e um xerife corrupto —, todos entrelaçados numa viciante narrativa da mais corajosa e sombria lavra americana.

Tive a oportunidade de ler o livro antes do lançamento da adaptação e gostei bastante da experiência. O título é perfeito para a história. O Mal nosso de cada dia é cruel, impiedoso, cheio de violência e com vários personagens repulsivos.⁣ O ambiente é sórdido e os crimes acontecem com uma naturalidade que tem uma hora que nem choca mais o leitor. Assassinatos, estupro, suicídio, prostituição, sacrifício de animais, fanatismo religioso e morte – muita morte.⁣

O que eu achei do filme

Confesso que antes de ler a história, não estava tão empolgada. No entanto, depois de assistir ao trailer e ver o elenco, fiquei bem animada. Estrelado por Tom Holland, Robert Pattinson e Sebastian Stan, o longa não deixa a desejar. Gosto de histórias ambientadas em cidades “abandonadas” e no filme todos os personagens são intrigantes e sombrios. Começamos a trama acompanhando Willard (Bill Skarsgård), um veterano de guerra que cresceu em um lugar onde a religião era totalmente predominante. Desde quando viu um soldado morrer em uma cruz, ele não quis mais fazer orações.

Mas quando Willard conhece o amor da sua vida e tem um filho, decide voltar a se conectar com Deus. Consequentemente, acabou se tornado um fanático religioso. Ele é um personagem carregado de traumas e aos poucos vamos conhecendo o seu passado e os demônios que carrega. Arvin Russel (interpretado por Tom Holland na adolescência) é filho de Willard. Ele cresceu sendo exposto a todo o fanatismo religioso do pai e vendo toda violência cometida justificada em “nome de Deus”. Mas apesar de ter uma relação complicada com seu pai, Arvin recebe toda a atenção e carinho de sua mãe. Charlotte (Haley Bennett),é uma mulher encantadora, mas que também se perde devido as ações de seu marido.

E já que estamos falando de uma cidade em que a religião é predominante. Temos também o reverendo Preston (interpretado pelo Robert Pattinson) e o pregador Roy (Harry Melling). Eles são alguns dos personagens que criam o desconforto na história, devido ao fanatismo e nos absurdos que fazem em nome de Deus. De inicio, os personagens não se conectam em si, pois são várias linhas temporais, mas aos poucos as peças vão se encaixando. É um filme cheio de conflitos e com várias cenas fortes.

TRAILER DE O DIABO E CADA DIA