Escolhidos para você

Olá pessoal, tudo bom vocês? O post de hoje é daqueles que nascem nas entranhas dos grupos de debate de fãs e que geralmente nunca saem de lá, mas que eu adoro discutir mesmo assim: se a Varinha das Varinhas torna seu dono invencível, como Dumbledore derrotou Grindelwald?

Esse ponto é aguardado por muitos fãs, pois, provavelmente a sequência de filmes de Animais Fantásticos e onde habitam terminará na épica batalha entre Grindelwald e Dumbledore, em 1945, onde Dumbledore conquista a Varinha das Varinhas que Grindelwald havia roubado de Gregorovith, anos antes.

Um dos pontos mais martelados nos debates a respeito das Relíquias da Morte é, até hoje “Se a Varinha das varinhas torna seu dono invencível, e se ela só passou de mão em mão na história bruxa por meio de roubo, trapaça e morte, nunca por perícia, como Dumbledore, em um duelo, venceu Grindelwald, o dono e senhor da Varinha INVENCÍVEL sem ter tirado a vida dele?”

Sabemos que no duelo de Harry Potter contra Lord Voldemort, na Batalha de Hogwrts, a explicação lógica para a vitória de Harry é de que a Varinha das Varinhas sabia que estava lutando contra seu novo senhor em favor de Voldemort e se recusou a usar todo o seu potencial para liquidar àquele que tinha sua real lealdade. Sendo assim apenas a perícia e coragem de Harry x Voldemort, sem nenhum aditivo mágico na mistura, o que somado ao bom coração de Harry, sua disposição em morrer para salvar a todos, sua coragem e a ausência de medo da morte, levaram ele à vitória. Certo?

Mas e Dumbledore no duelo lendário contra Grindelwald?

Se a Varinha das Varinhas respondeu a Alvo Dumbledore apropriadamente ao longo dos 50 anos de uso, mesmo que ele jamais tenha levado a mesma à extremos, contentando-se em possuí-la, humildemente e não usá-la, como autopunição pela sua ambição juvenil que causou tanto mal à ele e ao mundo bruxo, e se quando ele foi desarmado no alto da torre de Astronomia ela passou para o seu último desafiante, Draco Malfoy, o que mais tarde culminaria na posse da lealdade da varinha por Harry Potter; é certo afirmar que ele definitivamente derrotou o antigo possuidor da Varinha das Varinhas, Grindelwald, em seu duelo lendário que colocou fim à ascensão do bruxo. Sem engodo, sem assassinato, sem roubo, apenas com perícia, contra a varinha invencível. Mas como?

Defensora que sou de uma boa teoria, principalmente quando parte dela saiu da minha cachola, eu vos digo que foi o amor, ahhh o amor, que derrotou Grindelwald e não Dumbledore!

É fato sabido que Dumbledore se recusou a ir atrás de Grindelwald para impedi-lo no início da onda de terror que o bruxo espalhou pelo mundo. Se o que o impediu foi o medo de descobrir que produziu o feitiço que matou Ariana Dumbledore, se foi um Voto Perpétuo que ambos fizeram, ou se realmente foi por ainda ter sentimentos por Gerardo Grindewald e ter medo de não conseguir atacá-lo quando o momento chegasse, isso ainda não temos certeza.

O que não nos deixa nenhuma dúvida de que seja qual for o motivo, encará-lo representou um grande esforço para Dumbledore e um grande ato de coragem e altruísmo. No momento em que Dumbledore desafia Grindelwald para um duelo ele está colocando de lado todo o seu eu. Ele escolhe deixar de lado seus sentimentos por Grindelwald, todo e qualquer ressentimento pelo caminho que o outro tomou, deixar de lado toda e qualquer dor que esse duelo possa lhe causar e todo e qualquer trauma a respeito do que pode revelar, deixar de lado o seu amor próprio e tudo o mais que ele tinha a oferecer como um tributo ao mundo bruxo.

Desde então Alvo Dumbledore não amou mais ninguém. Ele, com a derrota de Grindelwald fechou seu coração, passou a se sentir indigno de amar e ser amado, se contentou, como ele mesmo diz, em ensinar e guiar os outros, sem nunca esperar que alguém o protegesse de nada e sem nunca abrir seus sentimentos para mais ninguém, pois, tudo o que ele amava tinha um fim trágico e ele preferia nunca mais amar ninguém do que amar alguém e vê-lo destruído.

Grindelwald entrou no duelo com a mesma motivação de Dumbledore, e com as mesmas inseguranças, porém ao contrário do adversário ele não estava disposto a admitir erro, não estava disposto a se arrepender como Dumbledore fez. Sua paixão pela causa que defendia desde jovem, que uma vez já havia conquistado Alvo, o conquistaria novamente, de certo, e eles sairiam desse duelo mais uma vez unidos. Atingir Dumbledore para chamar sua atenção se tornou uma meta de vida para Gerardo e quando ele notou que Alvo estava abrindo mão de verdade deles, aceitando a derrota de seu coração em prol de um “bem maior” diferente daquele que eles almejaram juntos, ele simplesmente viu que não poderia mais prosseguir. Gerardo Grindelwald, se tivesse criado uma Horcrux, nesse momento provavelmente teria o pedaço de alma restaurado ao todo. Ora, não foi tentar proteger Dumbledore o último ato de Gerardo antes de ser morto por Voldemort?

E foi o amor, de um pelo outro, de ambos pelos seus, por uma causa, que fez com que a Varinha das Varinhas se dobrasse ao seu novo dono, à um senhor merecedor dela, assim como Harry se tornou 5 décadas depois ao conquistar as Relíquias para o bem dos demais e não dele próprio.

Dumbledore, sem saber foi, durante 50 anos, o verdadeiro senhor das Relíquias da Morte! O merecedor delas e de todo seu poder!