Escolhidos para você

E finalmente consegui a versão do Switch Lite! Quando o Nintendo Switch foi lançado em 2017, fiquei empolgada e ansiosa para comprar o console mais desejado daquele ano. E até hoje digo que foi um dos melhores investimentos, pois sempre fico animada com os lançamentos e as novidades que surgem em cada Direct da empresa.

No entanto, eu sempre gostei do modo portátil, tanto que brinco com o Nintendo 3Ds até hoje. E por mais que a graça do Switch seja jogar na televisão, gosto de deitar na cama e usar o portátil – mesmo sabendo que a bateria não aguenta tanto assim. Por isso, quando a Nintendo anunciou a opção Lite, fiquei curiosa e queria experimentar essa nova versão. Então, depois de alguns meses usando, decidi compartilhar a minha experiência com vocês.

O Switch Lite é ideal para quem ama portátil.

Como mencionei o tempo da bateria ali em cima, decidi começar por essa questão. A bateria do primeiro modelo do Switch chega em média de 2,5 a 6 horas (na versão que temos); já no Lite tem uma estimativa de 3 a 7 horas de duração. Ou seja, por mais que a bateria tenha melhorado, ela dura de 30 a 60 minutos a mais do que no Nintendo Switch convencional, dependendo do jogo. Então essa melhora não foi tão significativa assim.

No entanto, como gosto de jogar no modo portátil, a versão Lite é mais confortável e leve para segurar. E por ter menos peças móveis, já que os controles são fixos, isso aumenta a resistência à impactos. Entretanto, há uma questão delicada, que se trata dos analógicos do console. Na primeira versão eles tinham um problema chamado drift, que consistia em manter uma direção de movimento, mesmo que você não tocasse no analógico. Isso prejudica a jogabilidade e irrita demais, podendo o analógico parar de funcionar. Como no Switch Lite tudo faz parte de uma única peça, se este problema ocorrer seria necessário enviar o console todo para conserto ou abri-lo para trocar a peça. Enquanto no Switch apenas um joycon seria o problema.

Mais barato mesmo?

Em relação ao preço, o Lite foi lançado no mercado $100 mais barato. Porém é difícil enxergar essa diferença de valores se o console for comprado no Brasil. Eu não me arrependi de ter essa experiência com o Lite, mas se você não tem nenhuma das duas versões, recomendo investir no primeiro modelo.

Se você curte jogar com a família e os amigos e gosta daquela sensação nostálgica que os clássicos da Nintendo traz, invista no convencional. Entretanto, se você quer um console portátil e não liga para os controles de movimento. E se também não pretende jogar na televisão e prefere jogar maior parte do tempo sem companhia, a versão Lite é perfeita pra você. De forma resumida, o Lite é menor, mais leve, mais resistente e mais barato.

 

Fonte: Sai da Minha Lente