21
nov
2017

Crítica: Liga da Justiça

Postado em | Cinema, Crítica, Resenhas

Aproveitei o feriadão para ir ao cinema conferir o filme mais aguardado da DC Comics e agora vou compartilhar com vocês o que eu achei de Liga da Justiça.

Expectativa: a gente tenta manter a expectativa baixa em virtude do histórico da DC/Warner, mas dessa vez estava impossível! Eu achava que seria bom, mas tava torcendo para que fosse o melhor filme deles até o momento.

Realidade: fiquem tranquilos, o filme é realmente bom! Ele não bate Mulher-Maravilha, mas ainda assim, da pra gente dizer que a DC está acertando a mão nos seus últimos longas!

De acordo com a sinopse, Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman (Henry Cavill), Bruce Wayne (Ben Affleck) convoca sua nova aliada Diana Prince (Gal Gadot) para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes – Batman, Mulher-Maraviha, Aquaman (Jason Momoa), Cyborg (Ray Fisher) e Flash (Ezra Miller) -, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.

É complicado e quase impossível não traçar um paralelo comparativo com Vingadores 1. Isso porque além de ser a reunião da superequipe da DC, a premissa dos dois longas é exatamente a mesma: seres extraterrestres estão invadindo o planeta e só a união das pessoas mais poderosas do mundo é capaz de detê-los. Mas se você acompanha quadrinhos, sabe que isso é absolutamente comum em qualquer editora e de maneira nenhuma, uma delas está copiando a outra.

Dito isso, da pra afirmar que a motivação é interessante o suficiente e que cada um dos heróis justifica a sua presença na liga. O roteiro não é a prova de furos, mas é convincente o suficiente para você aceitar a história com naturalidade.

Outro ponto importante é que a DC abandonou de vez o clima sombrio (na verdade não foi isso que comprometeu os filmes anteriores, mas enfim…) em Liga da Justiça e abraçou o “Marvel´s Way of Life” deixando o filme mais alegre e cheio de piadinhas (umas bem ruins, outras nem tanto), sem abrir mão da narrativa mais pesada. Resultado: você percebe a inspiração, mas sabe que continua sendo um filme da DC.

A apresentação dos personagens aconteceu naturalmente da forma que deveria e você sai do cinema conhecendo bem cada integrante da Liga. Mas é uma opinião particular minha de que, o Ciborgue, por ser o personagem mais desconhecido do grande publico, merecia um pouquinho mais de tempo de história.

Ouvi alguns comentários ruins sobre o grande vilão do filme, o Lobo da Estepe, mas esse foi o ponto que achei mais inteligente de toda a produção. Ele em si não parece ser um inimigo lá muito perigoso, mas saquem a jogada: Lobo da Estepe + milhões de Aliens insetos = grande perigo. Isso deu a DC a oportunidade de tocar de novo no nome do Darkseid sem queimar ele logo no primeiro filme da Liga! Perceberam o movimento? O Lobo serviu para o propósito de unir os heróis, mas o verdadeiro perigo ainda está por vir.

O Batman estava ok, Superman voltou da morte muito mais poderoso (ou upou tipo o Gandalf ou apenas se soltou mais mesmo), Mulher-Maravilha perfeita como sempre e o Flash como alivio cômico as vezes exagerado demais. Agora o Aquaman do Momoa deu gosto de ver e acho que o filme solo dele tem tudo pra ser incrível!

Em resumo, vale a pena ir ao cinema assistir Liga da Justiça! O filme é bom e funciona como redenção da DC! Só não esqueça de ficar até o fim porque tem 2 cenas pós credito.

Nota do filme 7,5 parademônios de 10 possíveis!

E vocês? Já assistiram Liga da Justiça? O que acharam?